Reciclagem evita que descarte irregular cause danos a rios, mares e solo.

Batata frita, salgadinhos, bife. Tudo com bastante óleo! É bom, não? Mas e o depois de fritar, para onde vão os litros de óleo consumidos diariamente pela população? Esse pós-fritura é que preocupa diversos ambientalistas e Órgãos Ambientais pelo Brasil. Cada litro de óleo descartado de forma irregular, seja na pia, nos ralos ou mesmo junto do lixo doméstico sem proteção chega a poluir 1 milhão de litros de água. Tanto nos mares como nos rios.

Gostosuras travessas

Os graves efeitos do descarte irregular são a formação da camada oleosa na superfície das águas, a impermeabilização de solos e entupimento da rede de esgoto. Na água, o óleo impede aentrada de oxigênio necessário à manutenção da vida naquele ambiente, matando peixes e outros seres vivos. No solo, impede a entrada de água, empobrecendo o mesmo e ajudando a causar enchentes. Também colabora com o aquecimento global, ao dificultar o processo de sequestro ou captura do dióxido de carbono pelos mares.

Reciclagem em Caxias, Município do Rio

Como frente ao problema, foi criada em Caxias, no Trevo da Missões, uma usina de reciclagem de óleo vegetal ou óleo de cozinha. A usina funciona por meio da Cooperativa Disque Óleo, que recicla o óleo que recolhe na região fluminense do Rio, cerca de 120 mil/l por mês, deixando-o próprio para virar sabão, massa para vidraceiro e biodisel.

A idéia surgiu há três anos como explica um dos fundadores Caio Francisco, 36. Ele conta que se uniu a mais três amigos que já trabalhavam recolhendo óleo para dar a formalidade necessária a atividade. “Abrindo uma empresa você consegue tirar as licenças e atender aos restaurantes. Você tem como dizer o que vai ser feito, dá mais credibilidade ao trabalho.” Francisco revela o que acontece com o material que não é aproveitado por eles e os planos para o futuro da Disque-Óleo.

– O material que não é aproveitado vai para a estação de tratamento da CEDAE Alegria, no Caju. A intenção é produzir algum produto para gerar mais renda e emprego para a comunidade, porque é esse o nosso objetivo gerar renda para a nossa Comunidade, aqui no Trevo das Missões.

Até que o óleo recolhido esteja pronto para ser transformado em novos produtos ele obedece aos seguintes procedimentos. Passa primeiramente por uma cisterna de filtragem, em seguida para os taques de decantação e cerca de 2h depois é armazenado em tanques específicos. Após todo esse processo óleo limpo produzido pela Disque Óleo vendido para indústrias saboeiras, para refinaria Biocar localizada em Mato grosso do Sul e para um vidraceiro de Belford Roxo na baixada fluminense do Rio. A renda gerada beneficie direta e indiretamente de cerca de 45 famílias.

O descarte

Embora não seja a melhor solução, o que pode ser feito com relação ao descarte de óleo de cozinha no caso da não reciclagem, é o armazenamento do mesmo em garrafas PET e o seu despejo junto do lixo doméstico. Aquele que é recolhido pela Comlurb, na Cidade do Rio de Janeiro. Neste caso, espera-se que ao passar pelas centrais de triagem de lixo ou mesmo através dos catadores nos aterros sanitários seja dada uma destinação adequada a este material.

Quem quiser fazer parte desse ciclo do bem basta juntar três garrafas PET cheias de óleo, que não deve ser misturado a detergentes, água e deve ser peneirado, e entrar em contato com a Disque Óleo que eles retiram na sua residência. Tel. 21-2260-3326 ou 21 7827 9446. Pronto! Não dói, não custa tão caro quanto o preço que se paga pelo descarte no meio ambiente. Participe!

Leia também em:

O Estado RJ

Anúncios